poema

Passatempo

Publicado em 26 de julho de 2019, por Jan Parellada
Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Ó tédio,

és a mais cruel

das mortes

seduz os fracos,

liquida os fortes.

Ó mediocridade,

és a mais

longa sentença,

afastas o perigo,

atrais a doença.

Ó vida bovina,

és um fardo

interminável,

és puro veneno,

pareces saudável.

Ó palavras insípidas,

repetitivas,

retóricas,

sois tão

pobre consolo,

ora apáticas,

ora eufóricas.

Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter