poema

Maturidade

Publicado em 2 de setembro de 2019, por Jan Parellada
Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Com ela aprendi

a estar só,

sem me sentir solitário,

a conviver com muitos

sem tornar-me estúpido,

a submeter-me

sem ser covarde,

a comandar

sem ser tirano.

 

Maturidade,

com ela aprendi

a ser idealista

sem ser cego,

a ser idoso

sem estar decrépito,

a ser vaidoso

sem ferir os outros,

a ser competitivo

sem ser cruel.

 

Maturidade,

com ela aprendi,

a ser supérfluo

sem ser leviano,

a falar com propriedade

e ouvir com atenção,

a assumir responsabilidades

sem tornar-me culpado,

a ser sensível,

sem tornar-me vulnerável.

 

Maturidade,

com ela aprendi

a enxergar

de olhos fechados

a ouvir o silêncio

e degustar abraços,

com ela soube

que os meus pais

e irmãos

são o passado,

meus filhos

e netos

são o futuro,

a mulher que amo

é atemporal,

e todos eles

estarão presentes

até o fim.

Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter