poema

Eu e o Espelho

Publicado em 23 de setembro de 2019, por Jan Parellada
Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Enfim sós,

eu e o espelho,

ambos sorrindo,

nem sempre

foi assim,

sobrevivente,

oportunista,

sou um

filho bastardo

de Deus,

que crê

e desacredita

conforme

a conveniência,

que é grande

ou pequeno

depende do momento,

que é brilhante

ou patético.

depende da ocasião,

sou eu,

apenas

eu e o espelho,

por fim

em sintonia,

cúmplices

do hediondo crime

e da exata virtude,

sou eu,

me espelhando

em você,

que me dá sentido,

me faz real

e me concede

a vida,

sou eu,

falastrão imortal,

reflexo no espelho,

permanecerei

aqui,

assim,

enquanto tiver

algo a dizer

e alguém

para escutar.

Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter