Crônicas do Vanderlei

Os Círculos

Publicado em 23 de agosto de 2018, por Jan Parellada
Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Uma pergunta que tenho me feito com frequência é por que algumas sociedades desenvolvem um sistema justo de convivência social e outras como nós patinam.

Por que o norte da Itália é rico e o Sul tão pobre? Por que a Alemanha recuperou todo um lado comunista e cresce enquanto países como Grécia, Espanha e Portugal vivem de caneca pedindo esmolas?

Existem milhares de teorias que vão desde católico versus protestantes, frio versus calor entre outras teorias.

Mas o Francis Fukuyama apresenta uma interessante teoria em seu último livro sobre a formação dos Estados.

Segundo ele, essas sociedades têm uma forte relação de laços familiares e pessoal que acaba se sobrepondo ao bem comum e social.

É como se cada um lutasse por si e não pensasse no outro até perceber que esse não pensar no outro acaba prejudicando a si, num círculo de burrice e egoísmo sem fim.

A partir desse ponto eu extrapolei e misturei com filosofia e religião para falar de amor e consciência social como círculos.

Quanto maior o círculo, maior a concepção de amor e mais ele é divino. Quanto menor o círculo, mais ele se torna egoísta e mundano.

Vamos a eles.

O primeiro círculo é o círculo de nosso umbigo e onde o maior amor é o amor a si mesmo como um narciso.

Nascemos com um mecanismo embutido pela natureza de luta pela sobrevivência e um egoísmo inato que nos faz buscar a teta mais próxima para sugar o mais rápido possível.

Muitos seguem a sugar família, amigos  e o estado pelo resto da vida e, mesmo depois de adultos, seguem como vampiros sugando o mundo.

Mas felizmente somos seres inteligentes e aprendemos que esse egoísmo extremo nos é destrutível e então expandimos para o segundo e terceiro círculos do amor.

O segundo círculo é o círculo da família e o símbolo aqui é a mesa.

Já não estamos centrados somente em nosso umbigo e prestamos atenção nos membros familiares que estão ao nosso redor e o sucesso deles é muito importante, depois do nosso.

Com o egoísmo dos tempos modernos, as famílias estão reduzidas a linha de produção direta entre filhos, país, avós e netos.  Tios, primas e cunhados já estão sendo colocados de lado.

E muita gente já prefere estar com estranhos do terceiro círculo do que com parentes.

O terceiro círculo são as associações por afinidades ou interesses pessoais, por exemplo, sindicatos , clubes, partidos, clubes de futebol, comunidades do facebook, maçonaria, igreja e afins.

Aqui geralmente temos interesse que um lado se destaque em detrimento do outro e defendemos o círculo em que estamos.

Esse círculo vamos representar como um campo de futebol, onde estamos irmanados com 50% da torcida e em disputa com os outros 50% da bancada.

É a disputa do meu círculo contra o seu. Ainda não é o amor que engloba todos, que é tema do próximo círculo.

O quarto círculo representa o país, estado ou município com todos os seus lados de Norte, Sul, Leste, Oeste, Nordeste e Sudeste – tratados como um organismo único.

A percepção desse círculo é bem difícil para os povos latinos porque temos uma relação muito forte com laços familiares, e até mafiosos, mas temos dificuldade imensa de amar o estado como um todo.

A relação isenta não está no nosso sangue ou as relações de sangue não nos permitem uma relação isenta.

Queremos sempre levar vantagem, não pagar imposto para o governo roubar e o estado é nosso inimigo. Somos nós contra o estado. O outro é visto como uma ameaça. O ganho dele corresponde a uma perda minha.

Quem consegue aceitar todos os moradores de seu país como seu irmão, incluindo pobres e ricos, brancos e negros, coxinhas e petralhas, nativos e imigrantes?

Você vai me dizer que algumas pessoas são insuportáveis mas não temos coisas insuportáveis em nós mesmos e mesmo assim nos aceitamos como um organismo inteiro? Por que o estado não seria assim?

Por que a concepção de estado é uma disputa de círculos de interesses pessoais, familiares e de grupos contra todos os outros, como se ainda andássemos em bando nas savanas da África?

Por que políticos de esquerda e direita não escapam da maldição de enriquecer seus familiares e descendentes?

Jamais a sociedade como um todo. Jamais um organismo. Nada além do interesse dos círculos 1 a 3. Pouco interesse além de seus umbigos.

Se não chegamos nem ao círculo quatro, os demais círculos de amor estão somente no campo do imaginário.

O quinto círculo é quando você percebe que vivemos num mundo único, de recursos limitados e culturas diversificadas, dentro de um grande globo chamado planeta terra.

E não bastasse essa compreensão de incluir outros povos como irmãos, também passamos a tratar os outros seres vivos com respeito e dignidade.

Amamos nossos cachorros, gatos, flores, rios, açudes e passamos a respeitar a natureza e a terra.

Começamos a nos preocupar com a produção de lixo, plástico, consumo excessivo, aquecimento global e exterminação das outras espécies para que apenas nosso umbigo seja alimentado.

Uma pena que o novo presidente dos Estados Unidos não tenha nenhuma preocupação com isso e é um retrocesso no pouco que se avançou nesse campo.

O sexto círculo expande o anterior para o universo de aproximadamente 13,7 bilhões de anos-luz. Você não só ama as espécies vivas como ama também o universo, a matéria, os átomos, os opostos, o bem e o mal, o orgânico e inorgânico, a vida e a morte, tudo se torna divino e maravilhoso, tudo é um todo.

Esse é o reino da ciência, da matemática, da linguagem, da astronomia, da filosofia, da beleza das artes, da música, do drama e da comédia.

Não há nada que você possa fazer a não ser aceitar e desfrutar. Transcende país, tempo e espaço. Você é um cidadão do universo, queira ou não ter consciência disso.

Já o sétimo e último círculo é um mistério absoluto e não há nada que se possa falar sobre dele.

Nesse círculo reside o mistério de tudo isso que chamamos vida. Você pode dar o nome que quiser: o divino, o sentido da vida, a justiça suprema, a beleza absoluta, o bem, as formas platônicas, Deus, Dharma, o Tao, a essência, o além, o paraíso, a transmigração das almas, Hades ou simplesmente o nada.

O mistério é mistério e para sempre será. Amém.

Se eu fosse místico eu diria que nossa viagem espiritual é evoluir por esses círculos e no sentido do menor para o maior.

Evoluiríamos do egoísmo pessoal para uma atenção com a família, um respeito ao grupo de pertencemos, uma atitude honesta com o país que vivemos, um cuidado no mundo que estamos, um encantamento com o universo que vivemos e uma reverência ao mistério da existência.

Esses seriam os sete círculos da perfeição no caminho da humanidade.

Bom se isso fosse verdade ou um dia se acreditasse nisso.

Teríamos a preocupação de criar um todo que propiciasse o desenvolvimento dos indivíduos.

Porque o que se vê hoje é um individualismo extremo que está levando à destruição do todo, do meio-ambiente e uma desproporcional concentração de renda.

Enquanto continuamos nos arrastando e tropeçando, enredados aos cordões do egoísmo de nossos umbigos.

 

Vanderlei Machado Vieira

Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter