conto

Placas

Publicado em 23 de julho de 2019, por Jan Parellada
Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Pense na sua Família Dirija com Cuidado

Apesar da placa maltratada pela ferrugem, Orlando não teve dúvidas do que estava escrito. Nada demais. Uma mensagem prosaica no estilo previsível de qualquer placa de beira de estrada.

“Pense na sua Família”, lembrou, então, da mulher que o endividara nos cartões de crédito,

– Não é culpa minha, Orlando. Acha que é fácil administrar uma casa ?!?”

– Olha aqui, Marlene. Já pagamos de juros mais de três vezes o que emprestamos”.

–  Me poupe disso, Orlando. Você sabe que odeio contas.

“Dirija com Cuidado”, certamente não era o pensamento de seu filho adolescente. Thiago destruíra o outro carro da família num racha de final de semana. Ferimentos leves, ainda bem. Alguns pontos no supercílio e uma luxação no braço esquerdo. Conta do hospital “salgada” de qualquer forma.

“Pense na Família, Dirija com Cuidado”. Quem não tinha pensado na família era a filha. Boa aluna. Boa moça. “Por que diabos teria se envolvido com o chefe do tráfico da favela vizinha do condomínio ???”.

– Ele me faz sentir como uma rainha, papai !

Uns tantos quilômetros adiante outra placa.

Reduza a Velocidade
Chegue vivo em Casa

Aliviou o pé no acelerador. “Para que pressa pra chegar numa casa hipotecada ?”- pensou — “A casa praticamente já não é minha”. A reforma interminável não consumira somente a paciência de Orlando, como também a economia de anos. Onze anos de poupança. A solução para não paralisar as obras foi um empréstimo bancário a “juros módicos”. Com o tempo os juros perderam os modos e Orlando estava prestes a perder a casa. A família tinha outro imóvel. Bom imóvel: Amplo, alvenaria, localização central. Pena que o inquilino pagasse uma miséria de aluguel por conta de uma pendenga judicial.

Viaje com segurança Respeite a Sinalização

“A estrada é segura. O que não é seguro são os camarões”. Lembrou da viagem de férias. “Uma intoxicação com um prato de camarões em um restaurante de luxo é uma traição imperdoável do destino”. Jamais se intoxicara num boteco. Quem poderia imaginar que a “Salmonella” o espreitava de um “Camarão à Marinara” servido em talheres de prata na armação de Búzios?!? Uns passaram mal, outros não. Orlando fora parar no Pronto-Socorro. Conta “salgada” à Marinara. O saldo da semana de férias : 02 dias viajando, 02 dias intoxicado, 01 dia dormindo, 01 dia consertando o carro, 01 dia interrompido por uma ligação de urgência da firma.

Devagar

Homens trabalhando

Orlando ficou observando o rapaz franzino acenando com a bandeirola vermelha para os carros. No canteiro de obras o “esqueleto” de um futuro pedágio.

“Homens trabalhando”, olhou bem para os operários cobertos de poeira e suando ao calor de 40 graus. “Privilegiados”, pensou. “Ainda têm um emprego”. Orlando voltava de uma reunião da firma. “Reengenharia. Bela palavra para justificar uma demissão”. “Reengenharia, reestruturação, redimensionamento”. Nunca ouvira tantos Re alguma coisa quanto naquele dia. Pior que isso, só mesmo ter sido demitido por um antigo subordinado que ele próprio admitira na empresa. Bom consolo seria a considerável indenização que faria juz a receber, já não a tivesse recebido numa “demissão simulada” num passado recente. Precisara do dinheiro para pagar dívidas. A indenização era coisa do passado, as dívidas do presente, e, agora mais do que nunca, do futuro.

Cuidado

Tráfego de Caminhões Pesados

O pé de Orlando foi afundando no acelerador, 120, 140, 160 km/hora. A carreta não entendeu quando o carro esporte invadiu a pista contrária a toda velocidade,160, 170, 180. Não se tratava de um bêbado ou dorminhoco, percebeu logo o caminhoneiro. O carro não dançava na estrada. Ao contrário, vinha em linha reta, acelerando, como um míssil em direção ao alvo. Buzina, sinais de luz, gritos. Tudo inútil. Kamikaze, Orlando se lançava ao fatídico desfecho.

A poucos metros da colisão, o carro de passeio desviou-se da carreta. A manobra súbita quase acabou em capotagem. Desacelerando até “velocidade de cruzeiro”, Orlando pensava:

– Meu Deus ! Quase esqueci que o meu time decide o campeonato hoje à noite.

Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter