poema

Renegado

Publicado em 12 de setembro de 2019, por Jan Parellada
Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Em dias obscuros,

procuro, costuro

amizades de retalho,

nas noites  radiantes,

sigo avante,

suporto o trabalho,

em anos pares,

conquisto sortes,

nos ímpares,

tropeço em azares,

na multidão,

grito e coro,

em particular,

calo e choro,

à granel,

sei um pouco de tudo,

por atacado,

sou um tanto obtuso,

na versão A,

sou o bom rapaz sóbrio,

no Lado B,

o canalha oportunista e impróprio,

nos holofotes, nos púlpitos,

revelo o alucinado idiota,

em folhas de papel sulfite,

coleciono rimas poliglotas,

antes de dormir,

uma última frase,

um soneto bêbado,

antes de acordar,

fase insensata,

de pássaro desarticulado,

que se engasga com alpiste,

estrebucha, morre e termina

como uma história triste.

Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter