artigo

A Nova Ordem Mundial Continua a Mesma

Publicado em 27 de março de 2019, por Jan Parellada
Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Nunca houve tanto acesso ao conhecimento, nunca se fugiu tanto dele. Toda vez que tento abordar algo mais profundo e inquietante, os meus ouvintes fogem de mim como o diabo da cruz. Não em desabalada carreira, mas sim dissimulando ou mudando de assunto de forma brusca.
Na Idade Média , onde quase todo mundo era analfabeto, havia excelentes desculpas para acreditar em disparates, como a crença de que a Terra era plana. Hoje, século 21, o acesso a informação é pleno, todos possuem um “smartphone” nas mãos capaz de desvendar todo e qualquer tipo de mistério da história do Universo, no Brasil há uma média de 3 números de celular por habitante.
Diante da privilegiada inteligência e curiosidade nata do “Homo sapiens” seria de se imaginar que essa espécie estaria valendo-se desse arsenal para buscar respostas plausíveis e racionais para os seus problemas, entretanto o misticismo ainda prevalece sobre a ciência.
Continua existindo gente que acredita em possessões demoníacas e exorcismos, mas que dúvida que o homem tenha andado sobre a Lua, também não é raro encontrar quem confie sua saúde a uma simpatia e beberagem de barraca de feira popular, renegando um tratamento com antibióticos para curar uma infecção.
Somente a escolaridade sofrível dos países do terceiro mundo seria uma explicação suficiente para alimentar uma fileira de alienados, que ocupam quase todo o seu tempo na Internet com assuntos de paupérrimo teor científico-cultural?
Quase a totalidade da comunicação da Internet são postagens de cenas absolutamente prosaicas da enfadonha e previsível rotina humana.
Onde estão os novos pioneiros da ciência, buscando respostas para equacionar porque continuamos adoecendo emocionalmente de forma vertiginosa?
O mundo se tornou mais cruel? Não. O mundo se tornou um lugar tomado pelas guerras? Também não. O planeta Terra nunca dispôs de tanta paz, evolução social e acesso à informação, mas talvez nunca tenha demonstrado tanta superficialidade, indolência e desinteresse em conteúdo cultural de relevância.
Fica a impressão de que aprofundar o nível da conversa, é uma forma de incomodar-se com aquilo que já está pré-estabelecido pela cultura rasa da mídia que migrou para as redes sociais. Para que chacoalhar o barco? As coisas são o que são, para que mudá-las ou entendê-las de forma mais profunda? Até que ponto eu quero viver sóbrio num mundo de bêbados alegres e funcionais. Qual a necessidade de desbravar novas terras, novos mundos, derrubando dogmas que permitem que o sistema funcione, ainda que repleto de indivíduos castrados mas operantes , superlotado de sujeitos amargurados, medíocres e submissos porém produtivos?
Para que mexer nesse picadeiro mal ajambrado, insosso, que se por um lado não resolve, por outro não ameaça.
O comodismo, a “zona de conforto” , o consumo programado para atender a nossa voracidade consumista infantil sempre ganha a luta. Dezenas de bilhões de dólares são empregados na pesquisa para descobrir qual a fórmula mais adequada e lucrativa para idiotizá-lo.
Caetano Veloso cantou: “Há alguma coisa fora da ordem, fora da nova ordem mundial”, pura ilusão do poeta, na realidade nunca houve uma nova ordem mundial, o bicho homem busca pela satisfação das necessidades e prazeres básicos da existência humana sob as mesmas bases darwinianas desde sempre, desde os tempos das cavernas, só que de forma mais alegórica e sofisticada.
“Tudo como dantes, no quartel de Abranches!”

Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter