crônica

Vaidade

Publicado em 12 de novembro de 2019, por Jan Parellada
Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Eu podia estar roubando, eu podia estar matando, mas cá estou eu escrevendo, bem pior, publicando, o que significa que desejo chamar a atenção alheia.

Vaidade de vaidade, tudo é vaidade! Nada mais humano do que a vaidade!

Só há vaidade porque existe o outro, porque anseio encontrar nele o cúmplice inevitável do meu pecado.

O pavão exibe magnífica cauda ainda que não haja espelho, de costas para sua virtude, à espera da resposta do seu desejo.

Só humanos são capazes de apaixonar-se por si próprios.

Todo humano é Narciso, ainda que vista-se de trapos e cubra-se de vergonha, ainda que rasteje na lama e flagele o seu corpo. A única dor insuportável é o desprezo dos que habitam a nossa alma, sem os quais a existência despe-se de significado.

Se a última coisa que morre é a esperança, a penúltima é a vaidade, razão pela qual maquiamos os mortos e os cobrimos de flores. O amor é raquítico para os incapazes da autoestima, porque nasce nela a paixão pela beleza alheia .

Ai de mim, se me envergonho com a imagem no espelho, pois não pode ser melhor a terceiros, o valor que não guardo por mim.

Se o erro é gênese do acerto, a frustração é a mãe da violência. Agrido e destruo os que tem o poder de revelar as minha fraquezas. Nada é mais ameaçador do que a vontade dos outros, quando divorcia-se do meu Narciso.

Temo aqueles que negam a vaidade, porque desconhecem tal força da natureza, que está por toda parte.

Perseguimos a vida, caçamos a vitalidade, a morbidez é causa mais própria aos abutres.

Farsa perfeita da sobrevivência, finge-se de morto o predador, tornando-se dissimulada ameaça, pois vale-se do repúdio à morte para sobreviver .

Guarda o camaleão, súbito bote, confundindo-se entre naturezas mortas e folhas secas, frutos coloridos e frondosos galhos.

Adapta-se, esconde-se na vaidade da floresta, serve-se  da ilusão, ora existe, ora não está.

Eu existirei sempre, até que não esteja mais.

Restará a minha vaidade dispersa entre os que em mim enxergaram alguma beleza, algum significado.

Compartilhar
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter